Comitiva De Justiça Berger
– Estamos chegando? – perguntou um soldado enjoado, que se debatia dentro de sua cota de malha, e segurava com força as abas de sua túnica, de um cinza que imitava o ferro deuto, temperado em Bergbau, da espada curta que embainhava.
– Nem um pouco – respondeu um dos marinheiros do majestoso patacho “Drachen In Der Gezeiten”, que servia à coroa de Reich An Eisen.
 
A tripulação era composta por cinquenta homens da marinha, e trezentos soldados da Família Berger, que respondiam diretamente ao König de Reich An Eisen. No convés, o Contramestre e o Guardião exerciam sua função de ordenar os marinheiros. O Mestre estava junto do Capitão, direcionando o patacho para Neue Erde.
 
– Olhe em seu anel, Senhor – disse o Mestre Hunfried Alt. Era baixo e velho, com uma espessa corcunda em suas costas; seus olhos eram castanhos, assim como os cabelos, quebradiços de maresia; tinha orelhas grandes e nariz achatado; sua boca era pequena, com poucos dentes, e seus lábios tinham excessivas rachaduras.
 
– Acalme-se, Hun! Sei o que tenho que fazer – disse o Capitão Rainart Dietrich. Era um Jovem de estatura média, forte e bem robusto; seus cabelos, ainda que fustigados pela maresia, eram loiros, longos e soltos; seus olhos eram um poço de azul anil, e suas sobrancelhas douradas repousavam sobre seus olhos com a majestade de um deuto verdadeiro; seu nariz era de traços rudes, mas precisos, e suas orelhas, brancas a ponto de rosarem-se; seus lábios eram de um vermelho-vivo, e seu sorriso tinha um equilíbrio perfeito com seu maxilar quadrado.


Rainart olhou para o céu por um instante, e viu o sol nascendo à sua direita. Brilhando num intenso amarelo fogoso, que fazia arderem as águas do vasto Oceano Corsado. Ele estendeu sua mão direita àquela direção, e um fustigante raio solar refletiu contra o anel em seu dedo anelar.

O anel era feito de platina, seu aro era extenso, indo do primeiro ao segundo nodo do dedo, e tinha em sua frente o símbolo da Coroa Deuta: três pirâmides unidas, formando uma outra maior.
 
A pirâmide esquerda era uma pedra de jade, toda lapidada e polida, exibindo um tom verde-escuro magnificente. Sua ponta superior tocava a ponta inferior esquerda da pirâmide superior, e sua ponta inferior direita tocava a ponta inferior esquerda da pirâmide direita.
A pirâmide direita era uma pedra de hematita, lapidada e polida, de um tom opaco, negro acinzentado, belíssimo. Sua ponta superior tocava a ponta inferior direita da pirâmide superior, e sua ponta inferior esquerda tocava a ponta inferior direita da pirâmide esquerda.
A pirâmide superior era uma pedra de sodalita, lapidada e polida, de um azul-escuro e opaco, em vários tons, como o céu azul do anoitecer. Sua ponta inferior esquerda tocava a ponta superior da pirâmide esquerda, e sua ponta inferior direita tocava a ponta superior da pirâmide direita.
 
– Estamos no curso correto, Hun. Avise aos homens que quero velocidade total – disse Rainart.
– Sim, Capitão – respondeu Hun, e logo se virou para o convés e gritou – Velocidade total!
A Coroa Deuta era o meio mais seguro de guiar-se navegando pelo Oceano Corsado. Sua pirâmide superior representava o Oceano, a da direita representava Reich An Eisen, e a esquerda, Neue Erde. Bastava apontar o anel para a nascente do sol, para obter a posição dos dois países deutos, seguindo a direção de suas respectivas jóias.
 
Só um nobre deuto podia ter essa bússola em forma de anel. Ele foi usado para honrar o sangue puro após as tensões Kayser-Berger, unindo mais ainda os dois países. De fato, o König de Reich An Eisen, Gotahard Berger é primo do König de Neue Erde, Ibsen Kayser.
– Capitão, se não me é indevida esta resposta, gostaria de saber o objetivo desta comitiva – disse Hunfried – O que faremos em Neue Hauptstadt?
– É uma boa, pergunta, Hun. O König em pessoa me entregou um pergaminho, com o selo Berger, e pediu para que seja entregue nas mãos de seu primo.
– Um simples serviço de mensagem. Então por que precisamos de trezentos espadachins da própria Casa Real?
– Aí é que está. Se precisamos de tão elevada proteção, temo pelo pior. Sabe que Neue Erde tomou de volta o Estreito de Pêcheur. Muitas rotas comerciais foram bloqueadas pelos patachos libreanos roubados de Sud Portuaire. Quando foram afundados, o General 88 fez com que passassem gigantescas correntes no meio do estreito. Três torres de cada lado, segurando as pontas de três correntes com redes penduradas. Só os peixes passam ali com esse bloqueio.
 
– E que tem isso?
– O König exige que suas rotas sejam restabelecidas. Caso contrário, não fornecerá mais o ferro para Neue Erde. Ibsen disse que quer tomar Veröld, mas precisa dos nossos minérios. O que o impede de buscá-lo? O pai e o tio estão mortos, e ele não respeita muito o primo.
– Acha que ele nos mataria?
– Fiquei sabendo que os Kalt se rebelaram logo após o General 88 ter ido para o leste, dando trabalho para os comandantes na região. Os Generais Stumpf e Grimbald se separaram. Stumpf não consegue alcançar os Guerrilheiros Negros na Ádria, e Grimbald não consegue
extinguir a resistência em Librement. Dois incompetentes. Eu diria que Ibsen não está no seu melhor humor.
 
– Aquele porco convencido. Quando chegarmos, o Senhor desembarca para entregar a mensagem, e eu deixo o patacho pronto para caso seja necessária uma fuga.
– Correto, meu amigo. Não se preocupe, nada nos irá acontecer, pelo Bom Ib.
– Pelo Bom Ib, o filho dele terá tudo o que quer.
– Desculpe. Esqueci que não é religioso. Isso é muito estranho nos dias de hoje.
– Nos dias de hoje, ser ignorante é normal.
– Pare de besteiras. Temos uma embarcação para comandar. Precisamos chegar amanhã!
– É o que sempre digo, Senhor. Vivemos em tempos ruins. A idade das trevas.
 
Autor: Delatorre